segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Beleza e capim

A atenção do povo está em vídeos de WhatsApp que falam de moralidade e pedofilia nas artes.

Enquanto isso, as elites lésa-pátria vendem as hidroelétricas e partes da Petrobrás para os estrangeiros, aumentando o preço dos combustíveis, do gás de cozinha e da energia elétrica; devastam as florestas, matam os índios e consomem o cerrado, agravando a seca e fazendo faltar a água; cometem abusos acima da lei nas lava-jatos estatais, violando ainda mais a nossa frágil ou inexistente democracia; retiram os direitos trabalhistas, de seguridade e previdenciários, transformando este mesmo povo em semi-escravos; aprovam leis inconstitucionais, retroagindo o país à Idade Média e a uma teocracia canhestra; perante a mudez do povo, que só enxerga a imoralidade... nas artes.

Nunca o termo "alienação" foi tão bem empregado. É como aqueles tapa-olhos colocados em animais que puxam carga, de modo a fazê-los não se desviarem do trajeto ao impedi-los de ver o capim das margens, o que poderia lhes alimentar na longa jornada. Só veem a estrada árida.


Triste é o povo que dá valor à voz do opressor e despreza o chão que pisa. Não lhe sobrará beleza nem capim.

Nenhum comentário: