segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Cidades do Alto Rio Pardo são ricas em literatura

Mosaico com capas de livros do Alto Rio Pardo
Tendo a porção mineira do Vale do São Francisco a oeste, o Vale do Jequitinhonha a sul e leste e o Sudoeste baiano a norte, a microrregião do Alto Rio Pardo, no Norte de Minas Gerais, produz cultura literária com muito empenho.

De variados estilos, livros têm sido publicados cada vez com mais frequência.

Taiobeiras, Salinas e Rio Pardo de Minas lideram a produção de literatura da região que engloba ainda as cidades de São João do Paraíso, Berizal, Ninheira, Montezuma, Santo Antônio do Retiro, Vargem Grande do Rio Pardo, Águas Vermelhas, Divisa Alegre, Santa Cruz de Salinas, Rubelita, Novorizonte, Fruta de Leite, Indaiabira e Curral de Dentro.

São estudos acadêmicos, memórias, artigos de opinião, crônicas, contos, poesias, cordel e relatos históricos.

Veja abaixo uma lista dos exemplares que detenho em minha biblioteca pessoal, de vários autores, incluindo os que eu mesmo já publiquei até o momento. Mas tem outras publicações, às quais espero em breve garimpar e compartilhar com os leitores do Blog.

- Cônego Newton de Ângelis
O cônego premonstratense Padre Newton de Ângelis, natural de Rio Pardo de Minas, publicou uma coletânea de textos extraídos de livros da Igreja, da Câmara Municipal e de cartórios de sua cidade natal, em quatro volumes que se constituem em preciosos registros históricos e fontes de pesquisa para toda a região do Alto Rio Pardo. O título: Efemérides Riopardenses (1698 - 1972).

- Avay Miranda

O juiz aposentado Avay Miranda, natural de Taiobeiras, escreveu primeiramente o livro Crônicas: Desenvolvimento, Política e Folclore em 1986, no qual elenca uma série de artigos de opinião publicados originalmente na imprensa de Montes Claros. Ao final deste livro, publica um breve ensaio sobre a história de Taiobeiras, que desenvolveria anos mais tarde.
Em 1997, Avay publica em dois volumes a obra Taiobeiras: seus fatos históricos pela editora Thesaurus, de Brasília. Nestes livros ele relata documentos, memórias e informações recolhidas em entrevistas que ilustram a formação e o desenvolvimento do município de Taiobeiras.
Nesta volume II dessa mesma obra, Avay Miranda cedeu espaço para a professora Maria Antônia Gomes dos Santos escrever um ensaio sobre a história de Berizal, distrito de Taiobeiras que foi emancipado em 1996. Uma dos pontos altos da escrita de Maria Antônia são suas lembranças e relatos de como os jovens berizalenses conseguiam informação crítica sobre o país durante a ditadura militar (1964-1985).
Como suplemento de Taiobeiras: seus fatos históricos, Avay Miranda também produziu a publicação do livreto Santo Cruzeiro dos Martírios (1997), poema em sextilhas, literatura de cordel, escrito por seu tio Hermínio Miranda Costa, relatando em fantasia os acontecimentos que levaram à edificação de um importante monumento histórico de Taiobeiras.

- Milton Santiago

O poeta salinense Milton Santiago, membro da Academia de Letras de Salinas é autor de vários títulos Força da Expressão, Eternas Lições e Poemas para o Mundo.
Em 2014, Milton lançou Miltonalidades, livro de poemas com capa da artista plástica Lizz Campos (Elisiana Alves). A proposta da obra foi a de explorar os tons (cores) e os sons da poesia.
Em 2016, Milton Santiago enveredou pelo lado da história da região, para ele uma senhora com muitos rostos, nuances e pontos de vista. Lançou Os Mil Tons da História. A capa novamente foi de Lizz Campos.
Neste ano, novamente Milton voltou a publicar poemas. Um livro mesclando fantasia, mística e poesia foi lançado: A menina e o poeta. Também com capa produzida por Lizz Campos. Nesta obra, o autor evoca ainda o conceito de Salinidade, expressão que representaria o modo de viver e ser do povo de Salinas.

- Vladimir Mendes Patrício (Vlade)
Vladimir Mendes Patrício estreou como autor de livros na última semana (16/09/2017), publicando o livro de memórias e crônicas Um olhar no passado, em que registra suas lembranças da infância e juventude na Rio Pardo de Minas dos anos 1970 até por volta de 2000.

- Isaías Costa (Zazau)

O radialista, humorista e poeta taiobeirense Isaías Costa tem publicado vários títulos, entre livros de poesia, de piadas e de "conselhos".
Simplesmente Zazau (2013), trás no título a sua síntese: poemas, mensagens, pensamentos e conselho.
Só rindo e meditando com Zazau (2014), como o nome já indica, une elementos bem distintos como humor e meditação.

- Fabiano Alves Pereira
No livro livro Um convite à reflexão, o professor Fabiano Alves Pereira junta artigos de opinião e relatos históricos da contemporaneidade de Taiobeiras, além de descrever suas experiência em educação e música.

- Lázaro Gomes
Em obra lançada em 2012, o taiobeirense Lázaro Gomes relata as memórias vibrantes de um jovem que foi estudar no internato da antiga Escola Agrotécnica Federal de Salinas, o atual campus Salinas do Instituto Federal do Norte de Minas Gerais. Experiência pessoal contada com emoção e vigor juvenil. O título: Longe de Casa: Sonhos e Saudades.

- Alex Saraiva
Como estudo acadêmico, o publicitário taiobeirense Alex Saraiva escreveu e publicou Madonna e a Construção da Imagem no Universo da Polêmica Midiática.

- Levon Nascimento
Publiquei o primeiro livro em 2006, Palavras da caminhada: superando a falta de memória pública com artigos e ensaios, no qual tornei público textos sobre Taiobeiras e a região que começaram a ser escritos dez anos antes. A proposta foi a de dar munição à memória do povo, propositalmente sempre esquecida do passado, para tornar o presente e o futuro mais humanos e justos.
Em 2009 veio Blogosfera dos Gerais: Opinião, Testemunho e Outras Reflexões, livro contendo textos críticos, também correlacionados à sociedade contemporânea de Taiobeiras, os quais eu publiquei originalmente em meu Blog na internet.
Em seguida, minha esposa Flaviana Costa Sena Nascimento e eu publicamos Memorial da Juventude de Taiobeiras (2010), um relato histórico-fotográfico sobre os movimentos organizados de jovens de Taiobeiras, especialmente a Pastoral da Juventude. O livro foi resultado de uma pesquisa financiada pelo Mais Cultura Projetos do Ministério da Cultura.
A obra Sexagenaius: Reflexões pelos 60 anos de Taiobeiras, contendo artigos de opinião e entrevistas que retratam criticamente a cidade no período em que completava seis décadas de emancipação, era para sair em 12 de dezembro de 2013, data exata da efeméride. Por motivos diversos, foi lançada oficialmente em abril do ano seguinte. A capa de Sexagenarius é assinada por Lizz Campos.
Meu último trabalho publicado, neste em junho de 2017, é Crer e Lutar, um livro em que uno mística e crítica política, contos, crônicas e memórias para denunciar a crescente onda de neofascismo que assola a sociedade brasileira. Lizz Campos também é a autora da capa de CRER E LUTAR.

Nenhum comentário: