segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Resposta: O desmonte da UFVJM e do ensino superior

Na crônica O jumento é nosso irmão, que publiquei aqui em 5 de agosto de 2017, recebi o comentário da internauta Ana Maria, o qual transcrevo logo abaixo.

Olá Levon, gostaria que o senhor desse sua opinião sobre os cortes de recursos que estão ocorrendo nas universidades públicas federais. Esta semana tive a triste notícia que a UFVJM, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri,instituição no qual eu me graduei em Administração Pública, poderá fechar as portas por não ter dinheiro para manter as despesas de custeio (ou seja, não tem dinheiro pra pagar água e energia). Os recursos para investimentos, nem se fala, já estão paralisados há muito tempo. E isso poderá afetar também aos alunos nos cursos à distância, que já tem suas dificuldades de manutenção, principalmente em Taiobeiras, onde há um polo. Abraços.

Respondo a Ana Maria:

Querida Ana Maria,
O desmonte da UFVJM, criada pelo presidente Lula nos governos do PT, e do ensino público, em geral, são parte do que já estava desenhado pelo golpe de 2016, que destituiu a presidenta legítima Dilma Rousseff, sem que ela tivesse cometido crime de responsabilidade, conforme reza a Constituição brasileira. Significa sucatear o serviço público para em seguida privatiza-lo. É parte da política neoliberal: mais para os ricos, menos para os trabalhadores. Menos social-desenvolvimentismo petista e mais elitismo tucano-peemedebista. Infelizmente, é o triste retrato do que as manifestações orquestradas pela Globo, de lavagem cerebral, e pelos patos, camisas amarelas e panelas produziram: tiraram uma mulher honesta da presidência, perseguem o maior estadista vivo do país (Lula) e colocam a pior quadrilha da história nacional no Planalto. O "Mineirinho" tem culpa nisso.


Nenhum comentário: