domingo, 18 de junho de 2017

Poema: A arma e o idiota

* Por Levon Nascimento

A arma nasceu na fábrica
Vendida na loja
Manejada pelo homem do treinamento
Exibida no desfile militar
Paramentou o traje policial
Feriu o manifestante
Iludiu o garoto
Caiu em mãos imprecisas
Deu sensação de poder
Orgasmos de prazer
Tornou-se absoluta
Mais que Deus
Objeto de culto
Autorizou o usuário
Roubada, furtada
Contrabandeada
Sacada pelo bandido
Matou o jovem e o idoso
Manuseada pelo machista
Matou a mulher e as crianças
Entendida como solução
Matou o negro e o favelado
Sonho do idiota
Matou a inteligência nacional
Colocada no altar da ignorância
Pode eleger o político fascista
A morte vive na arma
Fonte de lucros
No bolso do fabricante
A arma nasceu na fábrica
Vendida na loja...
Pá! Pá! Pá!

Nenhum comentário: