quinta-feira, 6 de outubro de 2016

As urnas falaram

Cantor e compositor Yure Colares, numa performance
política durante as eleições de 2016.
* Levon Nascimento

Na primeira eleição depois do golpe de estado jurídico-midiático-parlamentar, que depôs a presidenta Dilma Rousseff, as urnas revelaram um Brasil bravo, arredio e revoltado com a política, a um passo da indiferença e do fascismo. Vejamos:

O PT foi a maior vítima. De seus próprios erros, dentre os quais o de acreditar que seria possível fazer política conciliando-se com a “casa grande” e utilizando os velhos métodos dela. Mas, também, da longa perseguição midiática que fez a maioria dos brasileiros acreditar que a corrupção nasceu com o partido de Lula e que somente o PT é corrupto. PSDB e PMDB, campeões de todas as listas de políticos mais corrompidos do país, saíram ilesos e vitoriosos na disputa. A mídia cartelizada, que odeia políticas públicas de inclusão social, foi a grande vencedora da rodada.

No Alto Rio Pardo, a mudança predominou, ainda que para mais do mesmo. Em Taiobeiras, apesar da reeleição do grupo tucano, não houve consagração. A diferença foi mínima e, a julgar pelo crescimento do candidato opositor na reta final, se a campanha eleitoral tivesse durado mais uma semana, o PSDB teria sido escorraçado do mapa político da cidade.

Em Taiobeiras, apesar de ser pleno século XXI, ainda há políticos que se utilizam da vulnerabilidade mais básica do ser humano, distribuindo cestas de alimentos aos necessitados, com a certeza de poder manipular uma das maiores conquistas da civilização moderna: o direito universal do voto. Pior, valendo-se de sujeitos hipócritas que se escondem por detrás da capa da caridade e da demagogia comunicativa de baixa extração.

Como não confio mais nas instituições brasileiras, sobretudo nas jurídicas, especialmente depois da vergonhosa deposição de Dilma Rousseff sem ter cometido crime de responsabilidade, sob o silêncio vergonhoso do STF e a cumplicidade do MPF, acredito que não se fará justiça quanto à escandalosa compra de votos registrada em vídeos e divulgada pelas redes sociais. Mas, muita gente, principalmente a juventude taiobeirense, crê e espera.

Neste item, um componente de esperança. O candidato Carlito Arruda conseguiu desprender uma valiosa energia jovem com sua campanha pela mudança em Taiobeiras. Ao tocar em temas-chaves para as políticas públicas, como água, segurança e educação, atraiu personagens novos que nunca se tinha percebido na política municipal. Os vídeos feitos por esses novos atores e espalhados na velocidade pós-moderna da internet, demonstram dinamismo, diversidade étnica e de gênero e pautas que nunca estiveram nas mesas dos políticos tradicionais. Agora, Carlito Arruda tem um tesouro nas mãos. Em tempos de neofascismo planetário, o empresário do ramo dos condimentos conta com um público marcadamente jovem, progressista e favorável às políticas públicas de inclusão social. Cabe a ele temperar na medida certa os próximos quatro anos.

2016 ainda não acabou, mas deixa a marca histórica como o ano em que os brasileiros desprezaram a política ao mesmo tempo em que o rico pré-sal é entregue de graça às multinacionais estrangeiras. Votos brancos, nulos e abstenções foram as celebridades da urna. Resultado da campanha sistemática de criminalização dos políticos e da democracia. Esse filme nós já vimos na Alemanha às vésperas da ascensão de Hitler e do nazismo. Oxalá, não haja reprise na sessão da tarde.

* Levon Nascimento é professor de História e mestrando em “Estado, Governo e Políticas Públicas” pela Flacso Brasil.

8 comentários:

anônimo disse...

O PT é culpado pelo que vivemos sim, e não vítima. A ditadura do PT acabara! O povo brasileiro tirará um por um (corruptos). Faço uso de suas palavras: "a juventude crê e espera."

Jeswesley Mendes disse...

Análise perfeita!
Recortes da triste realidade brasileira e mais precisamente, norte mineira.

LEVON NASCIMENTO disse...

Por Julio Celio Nascimento Rodrigues, no Facebook:
Lindo texto. No começo senti uma picardia de um dos análises de Leonardo Boff. No restante o texto faz uma análises desde o global para a situação atual do contexto político municipal. Eita professor você é um intelectual de primeira linha. Ainda que, em muitas situações, não estou de acordo, mas algo, que percibo e admiro é a sua coerência de defensa
*nota de aclaração: Ainda que não estou de acordo com alguns pontos da TL, sou admirador do sujeito de análisis para poder ser libertado.

LEVON NASCIMENTO disse...

Por Marileide Alves Pinheiro, no Facebook:
Parabéns! Ótima análise da conjutura política atual da nossa cidade. Meu sonho é vê-la mudada.

LEVON NASCIMENTO disse...

Por Felipe Cortez Grimaldy, no Facebook:
Acredito que será bastante celebrado, se não agora mas numm futuro onde as pessoas de Taiobeiras, serão menos alienadas..

LEVON NASCIMENTO disse...

Por Felipe Cortez Grimaldy, no Facebook: Wooooooow Levon que texto maravilhoso!! 😍💝👏👏👏👏👏👏

LEVON NASCIMENTO disse...

Por Elisiana Alves, no Facebook:
Parabens Levon Nascimento...TENHO ESPERANCA...

LEVON NASCIMENTO disse...

Por Milton Santiago, no Facebook:
A experiência ensina que não há outro caminho, esta mudança tem que nascer da luta do povo, Lembro aqui das reuniões da ATLAS, quando deixavamos de discutir cultura para discutir um pouco de politica. Diziamos que a condição é que se tenha clareza política sobre as metas que devem ser alcançadas, e disposição para enfrentar contradições, dificuldades e mesmo sacrifícios quando se trava uma disputa em condições desfavoráveis. Num momento de definição, é preciso saber o caminho a seguir, e o caminho foi juntamente com Carlito Arruda. Repetindo aqui um pensamento muito comum nas épocas de grandes mudanças. Para ajudar nas mudanças que Taiobeiras e o pais precisam, o PT deve, também, começar a mudar a si próprio. Deve, em primeiro lugar, se reconhecer como um partido do movimento operário, expressão da luta social e das necessidades dos mais humildes e explorados.O ensinamento que fica para hoje é simples. A mesma luta popular que permitiu a saída da ditadura pode abrir caminho para a derrota do governo Temer e a preservação de direitos conquistados e garantias fundamentais.