segunda-feira, 18 de julho de 2016

Artigo do Levon: Os desafios atuais do Partido dos Trabalhadores

* Levon Nascimento

O Partido dos Trabalhadores é a principal força política construída pelas classes trabalhadoras brasileiras. Após alcançar o poder central e nele permanecer por quase quatro mandatos, em 2016 o PT é apeado por um golpe jurídico-parlamentar e precisa encarar os desafios da atualidade para se manter como sujeito ativo na política nacional, dentre eles: superar o pragmatismo excessivo que o deslocou da esquerda para o “centrão”, enfrentar o processo de criminalização de suas ações políticas por parte da mídia e de setores do Ministério Público e do Judiciário e, ao cabo, apresentar-se como força renovada, em ideologia e em lideranças, capaz de dar um novo rumo à luta popular brasileira.

Durante os governos petistas, os critérios rígidos para admissão de novos filiados e de alianças cederam lugar ao pragmatismo nas relações com os demais atores políticos, em nome da governabilidade exigida pelo presidencialismo de coalizão – típico desde a redemocratização. Episódio ilustrativo foi a atuação desencontrada na recente eleição para a presidência da Câmara dos Deputados, após a renúncia de Eduardo Cunha. Isso afasta a militância e desfigura a essência do partido. Se as direções não encararem com seriedade a recuperação do projeto do PT e valarem-se das boas experiências dos modos petistas de governar e de legislar, readequando-as ao contexto, estarão por acelerar a perda de protagonismo e a dispersão de quadros em futuro breve.

Porém, a ameaça mais grave para o PT é a caçada despudorada empreendida pela grande mídia nacional, em conluio com setores encastelados do Ministério Público e do Judiciário. Eles querem a derrocada eleitoral do PT e a criminalização de suas ações. Iniciou-se com o “mensalão”, em 2005, agravou-se com o julgamento da AP 470 pelo STF, em 2012, e revelou todo o caráter golpista com a operação “Lava-jato”, de 2014 ao presente. Para não ser arbitrariamente suprimido do cenário político brasileiro, o PT precisa voltar ao berço dos movimentos sociais e populares e garantir a legitimidade necessária contra a reação das classes dominantes, representadas pela mídia e pela aristocracia jurídica. Estas o veem como o principal adversário do secular projeto de poder das elites nacionais e estão dispostas a tudo para varrê-lo do mapa político, a exemplo do golpe de estado em curso.

O PT também tem de retomar a sua grande capacidade de se reinventar. É necessário reaproximar-se da práxis – viver o que prega – e recobrar a desenvoltura, na descoberta e formação de novas lideranças do campo de esquerda e dos movimentos sociais. Sem líderes e ideias atuais, fatalmente será tragado para a obsolescência. Figuras como Fernando Haddad e uma miríade de quadros dispersos país a fora, se tocadas por um consistente projeto petista, popular e de esquerda, poderão dar ao partido mais algumas décadas de protagonismo na política do Brasil. Também o PED – Processo de Eleições Diretas – do PT deverá sustentar a possibilidade de que as novas gerações ascendam ao comando partidário.

Os desafios do PT são enormes e podem destruí-lo se não enfrentados com criatividade e devida consciência de gravidade. A perda de jovialidade do partido pesa contra. A favor, sua grande capacidade de sair maior das crises que enfrenta. Historicamente, o PT é a maior revelação do que o movimento popular brasileiro é capaz em termos de organização política. Se se recobrar de seu passado, o PT talvez possa vencer a sua maior crise.

Nenhum comentário: