quinta-feira, 3 de julho de 2014

Artigo do Levon: A corrupção persiste porque dá lucro



Artigo publicado no Jornal Folha Regional (Taiobeiras/MG), edição junho/2014, página 4, ano XI, nº 232.

A corrupção é um fenômeno recorrente em todos os modos de produção historicamente conhecidos. Mas é no capitalismo que ela se encontra mais plenamente identificada.

Engana-se quem associa corrupção apenas a defeitos de caráter individualizados ou a uma prática cultural de determinado povo. Não é só no Brasil que há corrupção. Nem os brasileiros são os seres humanos mais suscetíveis a esta praga social. Não é correto dizer que A e B tem propensão a serem corruptos porque são eticamente mais fracos do que C e D. Não é uma questão meramente de moral. É de contexto e de conjuntura sócio-econômica.

O capitalismo, mesmo legalmente e culturalmente estabelecido, é essencialmente corrupto porque sobrevive da expropriação do “mais valor” do trabalhador pelo proprietário dos meios de produção. O que gera e agrega valor ao produto ou serviço é o trabalho humano. Assim sendo, para se manter o sistema de lucro, é necessário “tomar indebitamente” de uma imensa parcela da sociedade o valor excedente de seu labor. E tudo isto se faz à luz de Constituições e leis plenamente reconhecidas pelo Estado Democrático de Direito. E, além da legalidade, a consciência moral não se culpa, pois a relação proprietário/proletário é moralmente e culturalmente aceita como correta e normal. O que faz levar à conclusão de que a corrupção não acontece tão somente quando o ato é ilegal e criminoso. Ela é mais profunda, está na raiz da estrutura social e dirige até mesmo as noções éticas de certo e de errado.

Quando se foca na ideia de que a corrupção se dá apenas na decadência moral de indivíduos (políticos, funcionários públicos ou privados, líderes sociais e religiosos corruptos), perde-se de vista que junto aos corrompidos há também, com maior força, os corruptores. Em geral, eles representam os “players” do capitalismo: são as empreiteiras que levam vantagens em licitações governamentais, os bancos que, por meio de lobistas, definem as políticas macroeconômicas de todas as nações (ricas e pobres, desenvolvidas ou não), a indústria bélica que leva nações inteiras à guerra, no intuito de vender armas, a propaganda e a desinformação midiáticas, além das já conhecidas indústrias do tráfico: de drogas, de pessoas, do sexo etc.

A corrupção persiste porque dá lucro. É o empreendimento mais rentável do mundo do capital. Como não é recomendável que se coloque “remendo de pano novo em roupa velha, pois o remendo forçará a roupa, tornando pior o rasgo” (Mateus 9,16), também não se acaba com a corrupção sem se destruir o capitalismo. É algo bem mais amplo do que falar de prisão, impunidade e repressão. É mudança de posturas e de paradigma.

Nenhum comentário: