sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Artigo do Levon: Consumo, logo sou?

O modo de produção capitalista, em sua ditadura do consumo, é pródigo em tecnologias supérfluas e descartáveis. Tudo para nos fazer sentir vontade daquilo que não necessitamos. Não há freios para a indução. Todos os dias, novidades são lançadas no mercado. O objetivo não é o bem estar da pessoa humana. A meta é, sempre e mais, o acúmulo do capital e o enriquecimento de poucos indivíduos (e de seus respectivos grupos econômicos), num mundo onde bilhões de homens, mulheres, idosos e crianças são tratados como meros fantoches em suas mãos.

O discurso e a propaganda conduzem as mentes e os corações de todos, especialmente dos mais jovens, não para os verdadeiros exercícios da sabedoria e do discernimento, mas para a alienação e a cobiça. Diariamente escutamos e vemos:
– “Compre!”;
– “Você não pode deixar para depois, compre agora!”;
– “Seja feliz, peça já para o seu pai ou a sua mãe!”;
– “Você precisa!”.

Será que precisamos mesmo? No capitalismo, a única coisa que interessa é que o ser humano se transforme em nada mais do que um CONSUMIDOR. Você só é gente se consumir. Consumir, eis o verbo mágico dos tempos em que vivemos. “Consumo, logo sou”, poderia se dizer, parafraseando o grande filósofo Descartes. A pessoa só é vista como gente quando se porta como uma grande compradora e devoradora de bens de consumo.

Você só é gente se consumir???
O ser humano está se reduzindo à condição parasitária como um grande produtor de reservas de lixo, fruto do consumo desenfreado, frenético e sem planejamento. A moda e os modismos nos induzem e incutem em nós o desejo irrefreável de comprar, usar e descartar. Novamente, comprar, usar e descartar. E assim por diante, comprar, usar e descartar.

Está chegando o dia em que a Terra, nossa casa e nossa mãe, não aguentará tanto descarte, tanto lixo, tanta cultura de morte e tanta moda de destruição voraz.

O que é luxo para poucos se torna lixo para milhões
Enquanto uns consomem muito, até aquilo de que não têm necessidade premente, outros, como nas periferias das cidades e do mundo, passam fome, frio e sofrem das mais variadas doenças, além de estarem sujeitos às intempéries climáticas resultantes da própria má-ação humana sobre o meio ambiente.

Reflitamos: Que nosso consumo seja controlado e dentro do necessário para suprir a existência. Sejamos seres humanos livres. Libertos e independentes, porque há algo em nosso coração. Não mais escravos dos produtos descartáveis com os quais enfeitamos nosso corpo e nossa alma! Mais do que aparência consumista e artificial, tenhamos consistência e conteúdo interior.

3 comentários:

Nathália Lucas disse...

Parabéns Levon , eu sempre leio os seus artigos e como sempre são muito interessantes!
O consumismo a cada dia que passa está mais avançado, apesar de que também estamos em um pais capitalista e enquanto muitos estão passando fome outros vivem gastando com coisas que a as vezes nem necessidade tem , somente para anda sempre na moda, que é coisa criada por empresários para poder tirar das pessoas o dinheiro que elas tem.
Sem falar o quanto o planeta sofre com isso...

Liah Oliveira (via Facebook) disse...

Li seu artigo. Concordei com quase tudo. Sou acadêmica de publicidade e propaganda e entendo como muitas pessoas tornam-se máquinas de persuasão inconsequentes. Tenho aprendido bastante sobre o que é o consumo consciente e sei que não serei apenas uma máquina de vender idéias, mas sim alguém q compreende a necessidade de cada consumidor e busca conscientizá-lo tbm. Tenho que defender um pouquinho a tendência capitalista, por isso que eu disse que concordei com quaaaase tudo q vc disse. Parabéns mais uma vez pela coragem Levon! Parabéns pela consciência social cara! Quando eu for alguém na vida, quero ser "grande" como você!

Rhansley S. disse...

Infelizmente pessoas seguem essa sina de " ser gente só se for consumidor" !
Estamos presos nesse mundo , tentando fugir , mas se estiver fugindo você não estará livre e independente !

Isso tudo se resume em uma palavra : CAPITALISMO!
Parabéns Levon por mais um assunto ( --artigo -- )interessante e verdadeiro !