quinta-feira, 28 de julho de 2011

Literatura de Cordel em tempos de neonazismo

Diversidade brasileira
Em tempos de neonazismos exaltados na Europa, nos EUA e até por aqui, nada como recomendar a leitura daquilo que identifica nossa alma cabocla, sertaneja, miscigenada e brasileira. Recomendo Cordel para todos aqueles que não compactuam com as loucuras de nosso tempo, como as daquele norueguês xenófobo, ou dos dementes que atacam seres humanos nas ruas de São Paulo, ou de qualquer outro lugar do mundo, só porque estes pensam, se originam ou agem de forma diferente da sua.

Viva a diversidade do Povo Brasileiro!

Como já disse noutro post, reencontrei-me com o Cordel no alto do morro do Bom Jesus da Lapa (BA). Eis aí mais alguns títulos que merecem ser apreciados, todos publicados pela Editora Luzeiro.

1. A Princesa do Reino da Pedra Fina, de Manoel Pereira Sobrinho;

2. A Princesa Anabela e o Filho do Lenhador, de Severino Borges da Silva.

Ler boa literatura abre nossas mentes para realidades novas, permite que abrandemos nossas intransigências, alarga nossa visão de mundo, faz superar nossas intolerâncias ao novo e ao diferente e sensibiliza nosso coração para ações de solidariedade e respeito.

Nenhum comentário: