sexta-feira, 29 de abril de 2011

A consciência de Taiobeiras

* Levon do Nascimento

Taiobeiras é uma cidade de pouca memória pública. Também, pudera! Um lugar onde pouco se lê, quase não se discute questões de interesse coletivo ou político democraticamente e a classe educadora sofre de baixa auto-estima generalizada, não poderia ser diferente.


Pode, sim! Tem que ser diferente. A história é algo que se realiza mediante a tomada de consciência de seus sujeitos. Não há determinismo que impeça as pessoas de exercerem as transformações sonhadas, possíveis e desejadas. Não há cabresto econômico ou ideológico que segura as pessoas quando estas libertam suas mentes e corações para o “bom combate”. Tem boas lutas a ser travadas em Taiobeiras.


Texto curto e de ideias incompletas, este, não? Claro que sim. Nossa memória é bastante curta, conforme já explicitado lá no primeiro parágrafo. Forcemos nossa consciência a respeito do que devemos valorizar em nosso passado. Apertemos um pouquinho o pensamento sobre os desafios a que todos temos que enfrentar. Sejamos criativos e apontemos soluções. Completemos este raciocínio... coletivamente.

Um comentário:

Paulinho Taiobeiras disse...

Há alguns domingos atrás, assistir uma reportagem no fantastico de Lima Duarte que disse: "os jovens hoje passam 4 horas de frente o computador e pensa que ja sabem tudo, mas ao sair para o mundo descobre que não sabem de nada".
Infelizmente a nossa historia não se encontra no google, quem tem pelo menos a educação de dar ouvidos aos idosos saberam alguma coisa, quem não tem esta educação vai ter que reiventar a roda.