quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

CNBB evita discutir aborto em 1º encontro com Dilma

* Breno Costa & Ana Flor, de Brasília (DF) na Folha Online

No primeiro encontro com a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) após a polêmica em relação ao aborto durante a campanha eleitoral, a presidente Dilma Rousseff foi poupada de cobranças em relação ao tema.

Segundo o presidente da entidade, dom Geraldo Lyrio Rocha, o assunto não foi tratado no encontro realizado na tarde desta quinta-feira (17) no Palácio do Planalto. Durante a campanha, um braço da CNBB, a Regional Sul 1, chegou a distribuir panfletos pregando voto contrário a quem defende a descriminalização do aborto e com críticas ao PT.
D. Geraldo Lyrio, presidente da CNBB e
a Presidenta Dilma Rousseff
No primeiro encontro com a CNBB após a polêmica sobre aborto, Dilma Rousseff foi poupada de cobranças do tema
A polêmica, que passou a nortear a disputa entre Dilma e José Serra (PSDB) no segundo turno, levou a então candidata petista a prometer que, se eleita, não proporia "alterações de pontos que tratem da legislação do aborto". Hoje, o aborto é permitido apenas em casos de estupro e risco de vida para a mãe.

De acordo com o arcebispo, ele levou uma pauta de "preocupações" da CNBB relativas às reformas política e agrária e às mudanças no Código Florestal, além de propostas de parcerias para a erradicação da miséria e em trabalhos sociais voltados a portadores do vírus HIV, dependentes de drogas e deficientes físicos.

O secretário-geral da CNBB, dom Dimas Lara Barbosa, que também participou da audiência com Dilma, contou ter se reunido ontem, a convite da CNBB, com a ministra Maria do Rosário (Direitos Humanos).

Segundo Barbosa, o PNDH-3 (Plano Nacional de Direitos Humanos) foi abordado. Na primeira versão do plano, posteriormente alterada, a descriminalização do aborto estava presente. No entanto, dom Dimas disse que a questão do aborto não foi objeto de discussão específica.

"Me parece que esse tema [aborto] já foi encerrado durante a campanha", disse o bispo.

Nenhum comentário: