terça-feira, 26 de outubro de 2010

Homenagem a D. Pedro Casaldáliga

D. Pedro Casaldáliga
Nestes tempos difíceis e áridos de campanha eleitoral, nada como este texto do poeta e cantor Zé Vicente em homenagem ao grande pai (bispo) Dom Pedro Casaldáliga, para reavivar nossa fé, despertar nossa esperança e nos encher do amor divino.

* Zé Vicente em Adital

A estrada foi longa e já era meio dia de 21 de outubro. Itamar, nosso companheiro motorista, estacionou a Kombi na sombra de um Ipê,pleno das primeiras folhas, após passagem das primeiras chuvas no cerrado goiano. Entramos no pequeno hospital de Ceres, para acolhermos a graça da visita tão esperada.

Ali, sentado numa cadeira, tomando soro, frágil no corpo, luminoso na alma, você, Irmão Pedro, nos acolhe com o brilho de sempre, com certeza mais transfigurado ainda, pelos desafios da idade e das "irmãs doenças" que vão chegando na estação que a vida te apresenta.

Um abraço muito especial a cada um de nós - Eliane, cantora; Heriberto, músico; Itamar e eu, a quem me chamas carinhosamente de "Moleque da Caminhada".

Emocionado, te beijei na fronte. Beijo comunitário, em nome de tanta gente que me encarregou desta visita. Mesmo pronto para viagem a Goiânia, onde faria os últimos exames antes de uma cirurgia, você, nosso Pedro, não parou de falar, com palavras e os gestos tão característicos -querendo saber de nossas ações de arte, lembrou que espera ouvir a música que compus sobre o teu poema a São José, segurou minhas mãos e falou baixinho- "dias 16 e 17 de julho de 2011, no Santuário dos Mártires, Ribeirão Cascalheira...".

Brinquei sério e crente: "Você tem obrigação de estar vivo até lá"!

Tua resposta serena e sorridente: "De qualquer maneira é Páscoa!", tua expressão soou como um misto de código e profecia.

Ao Heriberto, de origem Tabajara, falou: "um índio!" E contando os dedos exclamou: "Língua! Memória! Terra...", revelando a tua paixão crônica pelos povos a quem amaste incondicionalmente. Para Eliane, mais gestos de carinho.

Menos de quinze minutos de relógio, ampliados na divina dimensão cósmica, para a vastidão eterna do tempo-amor ao qual pertencemos todos e todas as criaturas.

Saímos rápido, para a 4ª Romaria dos Mártires, em Carmo do Rio Verde, em memória dos 25 anos do assassinato de Nativo da Natividade.

Zé Vicente
Mesmo que o nosso coração pedisse para continuar um pouco mais contigo ali em vigília de amizade e cumplicidade, a missão de arte-vida nos avisava para seguir.

No Pátio do Hospital, recolhi várias sementes do Ipê Amarelo, que envolvi num lenço de papel. Sementes ungidas, como nossa fronte, com o teu beijo e nossas lágrimas da mais pura e agradecida emoção, ao Divino e a você:

Pedro nosso, de tantos povos, do universo, do Deus da Vida Plena, sempre em estado de Páscoa permanente!

Amém! Axé! Aweré! Aleluia!

Fortaleza, 25 de outubro de 2010



Quem é Dom Pedro Casaldáliga?, clique aqui.
Quem é Zé Vicente?, clique aqui.

Leia mais e divulgue:
Frei Betto: "Vírus oportunista" na campanha
Senador eleito tucano ofende jornalista
Dilma mantém 12 pontos no Datafolha
Na USP, a volta dos militantes das diretas
Serra e a licitação do metrô de SP
O alerta de Marilena Chauí (podem querer por a culpa no PT)

Nenhum comentário: