sexta-feira, 2 de julho de 2010

Sonho adiado?

* Levon do Nascimento

Em meus 34 anos de vida vi o Brasil ser campeão da Copa do Mundo de Futebol da Fifa apenas duas vezes: em 1994, aos 18, tetracampeão nos Estados Unidos; e em 2002, aos 26, pentacampeão na Coreia do Sul/Japão.

A primeira Copa de que tenho vaga lembrança (tinha 6 anos) é a de 1982 na Espanha. Segundo se comenta, naquele ano o Brasil tinha à sua disposição uma das melhores seleções de todos os tempos, comandada pelo mitológico Telê Santana. Mesmo assim, perdeu. Portanto, em toda a minha vida, e na da maioria das pessoas, vi muito mais a derrota do que a vitória da seleção. E isto, paradoxalmente, é bom. Pois, caso contrário, não teriam valor as conquistas do pódio. As melhores coisas são as raridades. Ainda assim, o Brasil é o único pentacampeão mundial.

Consolos à parte, apesar das críticas, gostei do estilo e da personalidade do Dunga. Não ouso falar de suas opções técnicas, da montagem do elenco da seleção ou dos esquemas táticos escolhidos por ele. Não me atrevo, pois que de futebol meu entendimento não passa do de mero torcedor. Gostei de fato da coragem do treinador em contrariar grandes interesses que, diretamente, nada tinha a ver com o futebol, mas com o poderio econômico de grandes conglomerados empresariais e midiáticos. Dunga demonstrou o que falta a muitos: rigor, disciplina, coerência e ética. Valeu, Dunga!

Claro que eu queria ver a seleção campeã na África do Sul em 2010. Agora nos preparamos para 2014 aqui mesmo em nossa Pátria. Mas percebo que quanto mais conhecimento e informação acumulamos com o estudo e com a vida, menos damos importância a competições e campeonatos que têm o seu frisson e suas emoções próprias, mas que não vão além disto: competições desportivas. Tenho pena, mesmo, é daqueles que ainda não conseguiram discernir que o Brasil é o país e não a seleção de futebol. E que o Brasil realmente perde quando o desvalorizamos em detrimento do estrangeiro, não cumprimos nossas obrigações sociais, excluímos os pobres e não buscamos a educação e a formação para uma vida mais digna.

No mais, viva o Brasil, nosso país! E parabéns a quem vier a vencer a Copa do Mundo da Fifa na África do Sul. Só torço para que não seja a Argentina. E, se for, será por merecimento de nuestros hermanos.

P.S.: Bem, os hermanos também tiveram o seu dia de derrota nas quartas de final do Mundial. Que triste, Maradona!

Um comentário:

Gustavo Miranda disse...

Vai ser a mesma coisa , Renova , ganha tudo , fica em 1º na eliminatória, chega na hora de verdade pipoca =/ , num vai adiantar nada se num tivemos gente que gosta de verdade de usar a camisa do Brasil , que tem raça . e uma comissão técnica decente. Só isso..