sexta-feira, 14 de maio de 2010

Tradições de maio em Taiobeiras - Parte 3

Continuação...

A primeira grande atitude de questionamento por parte da Igreja partiu do pároco Frei João José de Jesus, OFM, em 1989, quando este, não conseguindo que a Prefeitura disciplinasse os horários de funcionamento de barracas e shows artísticos – que insistiam em funcionar ao mesmo tempo em que as celebrações da Igreja – , protestou ao não deixar divulgar a programação religiosa no mesmo panfleto da festa social, impresso pela municipalidade. Também determinou a realização de todas as cerimônias religiosas dentro da Igreja Matriz, como que denunciando o cerco que a Paróquia sofria diante do comércio indiscriminado e abusivo.

No ano seguinte, diante do mal-estar causado, a Prefeitura cedeu e criou novas regras de funcionamento de barracas, parque de diversões e shows culturais, inclusive no tocante aos horários de atendimento. A Igreja retomou as atividades tradicionais. Mesmo assim, a secularização e a vontade de lucrar de certos comerciantes burlou as regras do município e incomodaram aqueles que desejavam participar tão somente de um evento religioso e espiritual. Mais um sintoma de incômodo foi que, também o feriado municipal de 13 de maio, dedicado à memória de Nossa Senhora de Fátima, passou a ocorrer sempre na segunda-feira imediatamente posterior ao término das festividades, sendo chamado a partir daí de “feriado da ressaca”.

A situação somente se agravou, chegando ao cúmulo de no ano de 1995 a grande passarela de palmeiras (foto) estar totalmente tomada por barracas e com trânsito impedido por veículos de barraqueiros de outras cidades (na altura da Rua Rio Pardo), sitiando a Matriz e impossibilitando a procissão de término da festa de Nossa Senhora. Nem apelos à Polícia Militar, naquele dia, resolveram a situação. A parte religiosa definitivamente havia perdido o brilho e estava vergonhosamente sendo posta de lado pela ganância comercial e pela inação dos poderes públicos.

No ano 2000, sem perspectiva de solução dos problemas, a Igreja tomou uma decisão radical: retomou as festividades de Nossa Senhora de Fátima junto da “Igrejinha” de oito lados, mesmo no chão batido, sem calçamento, na Avenida do Contorno. A Igreja Matriz, cercada por barracas, parque de diversões e shows sem grande sentido cultural ou artístico, ficou lacrada durante os dez dias de festividades. Foi uma atitude ousada e radical. Nem todos entenderam as medidas adotadas. Trocou-se o calçamento e o conforto do centro, por uma praça sem nenhum tipo de urbanização, poeirenta, sem cadeiras, sem quermesse que auferisse algum donativo à instituição, com sonorização claudicante e com uma juventude ausente, já que esta se acostumara mais aos eventos “sociais” do que às celebrações religiosas. Parecia que a tradição iniciada por Frei Jucundiano estava com os dias contados. Definitivamente, não estava.

Em 2003, sob a administração de Frei Antônio Teófilo da Silva, OFM, pela primeira vez a Festa de Nossa Senhora de Fátima passou a ter tema geral de reflexão e sub-temas por dias de novena. Cadeiras para os idosos e tendas de proteção foram instaladas para maior conforto. Em 2006, na 50ª edição, um amplo trabalho de preparação foi realizado, equipes liturgias e de canto foram treinadas, jovens, pastorais e movimentos foram mobilizados, um estandarte comemorativo percorreu cada comunidade da Paróquia prenunciando as festividades. Uma multidão acorreu à Praça “poeirenta” da “Igrejinha” para celebrar a Mãe de Jesus.

Continua na parte 4, abaixo...

2 comentários:

cleonirilene disse...

oi meu nome é cleonirilene,sou neta de iracema e de carrinho,sobrinha de gilma,nasci em taiobeiras-mg,meu pai morava em taiobeiras mais por não ter muito empregos tivemos que vir pra são paulo,já faz 22 que moro em são paulo,amei seu blog meu facebook é queu_santos14@hotmail.com e meu msn é queu_santos14@hotmail.com,gostaria que voce me adicionasse.que deus ilumine seu caminho e que voce consiga seus objetivos

Anônimo disse...

oi meu nome é cleonirilene,sou neta de iracema e carrinho,sobrinha de gilma,jovi e dira,eu morava em taiobeiras mais por não haver muitas oportunidades de trabalho meu pai acabou mudando pra são paulo,agora faz 22 anos que moro aqui em são paulo.gostei muito do seu blog,desejo a voce que deus ilumine seus passos e que possa conseguir seus objetivos na vida.gostaria que voce me adicionasse no facebook queu_santos14@hotmail.com e meu msn queu_santos14@hotmail.com